Sessão solene faz homenagem à Campanha da Fraternidade 2023

Na manhã desta quarta-feira, 15/03, a Câmara Legislativa homenageou a Campanha da Fraternidade 2023 em sessão solene no plenário. O pedido partiu do deputado distrital João Cardoso. Durante sua fala, Dom José Aparecido, Bispo Auxiliar de Brasília destacou a importância da campanha da fraternidade, e lembrou que a campanha coincide com o tempo quaresmal, e que devemos nos atentar ao tema proposto a campanha representa um chamamento para saciar a fome e a alma do próximo.

“O tema Fraternidade e Fome deve entrar pelos nossos ouvidos, permanecer em nosso coração e ser traduzido em ações concretas”, resumiu o padre Agenor Vieira, que coordenada a pastoral da arquidiocese de Brasília. Já o Vigário da Promoção Humana e Obras Sociais da Arquidiocese de Brasília, Frei Rogério Soares, destacou a participação da juventude na campanha, “Fiquei muito feliz em ver os jovens participando, me deu uma esperança muito grande de ver eles preocupados com esse tema, com essa temática, me reacendeu uma esperança muito grande…pois a geração de vocês pode fazer diferente da minha geração.”

O padre João Batista, assessor do setor Vida e Família, entende que “quando uma pessoa está privada de alimento, ela também está prejudicada em sua dignidade”, por isso o ato de dar o alimento está ligado à promoção da dignidade da pessoa humana. Ao final da sessão solene, foram entregues moções de louvor a personalidades que se destacaram em ações sociais no DF.

A CF 2023

Pela terceira vez a fome é tratada pela Igreja no Brasil, na Campanha da Fraternidade. A primeira foi em 1975, com o tema ‘Fraternidade é repartir’ e o lema Repartir o pão’, no clima do Ano Eucarístico que precedeu o Congresso Eucarístico Nacional de Manaus, que trazia o mesmo tema e lema e desejava intensificar a vivência da Eucaristia em nosso povo. A segunda foi em 1985, outro Ano Eucarístico, desta vez em preparação para o Congresso Eucarístico de Aparecida, com o lema ‘Pão para quem tem fome’.

 

*Com informações da CLDF e CNBB